Pode piorar?

Jamboree-Japao4Entres os dias 28 de julho e 8 de agosto deste ano, aconteceu o 23º Jamboree Mundial em Yamaguchi, Japão. A delegação brasileira contou com 720 participantes, entre jovens e adultos.
O valor da inscrição, em média, foi de 2500 reais, sendo que 1600 reais correspondiam à inscrição do evento e os 900 restantes eram taxas administrativas da UEB.

E aqui começa a piorar…

Segundo o sistema de cobranças de taxas estabelecido pela Organização Mundial (WOSM), o Brasil se encaixa na categoria “B”. Isto significa que, de acordo com a renda per capita brasileira, o Brasil paga um valor menor em taxas em relação aos países de renda maior. Estas categorias também servem para definir preços em eventos, como nos mostra o boletim da organização japonesa para o Jamboree (que também pode ser lido no fim do artigo).

jam-japao

Boletim japonês sobre o Jamboree Mundial, que especifica quanto deve ser cobrado de cada categoria

O Brasil, para a ocasião do Jamboree, deveria ter cobrado as taxas de acordo com a categoria atribuída ao país (B), o que equivale a 50.000 ienes japoneses. Mas a associação nacional cobrou como se estivéssemos na categoria “C”, ou seja, 75.000 ienes 25 mil a mais (ao redor de 750 reais).
O resultado foi uma arrecadação de mais de meio milhão de reais.

Jamboree-Japao3

Boletim brasileiro sobre o Jamboree Mundial

Como comemorou um dos diretores nacionais, o evento foi mesmo “superavitário”.
Pela internet, coordenadores brasileiros para esta atividade afirmam que há uma variação na categoria, e que elas são flexíveis a partir do fechamento das contas do Jamboree. Isto, certamente, não é bem assim.
O boletim japonês estabelece os preços para cada categoria, e ainda ressalta que para saber qual categoria um país se encaixa, basta procurar o documento sobre política de taxas (no fim do artigo) ou o próprio anexo 10 do boletim (também no fim do artigo). E em todos estes documentos, o Brasil é categoria “B”.

Parece que, hoje, no momento em que um escotista decidiu denunciar a situação e depois da veiculação desse artigo, houve uma movimentação por parte da associação nacional para que este dinheiro seja devolvido.

Manobra correta? Vocês dirão.

Documentos

Anúncios

10 pensamentos sobre “Pode piorar?

  1. Essas notícias são tão absurdas que eu nem sei mais quando estou lendo o Café Mateiro ou O Sensacionalista…

  2. Outra vergonha para o Movimento Escoteiro e o fim da linha para a atual administração.

    As explicações prestadas pelo chefe do contingente brasileiro foram, para dizer o mínimo, risíveis. Informou que desde de maio/2015 o “problema” foi detectado e já havia a decisão de devolver os dinheiro aos associados. No entanto, em nenhum lugar, antes de hoje, vemos uma comunicação formal da UEB falando sobre isto. Seriam 90 dias pouco tempo para que a DEN publicasse uma aviso no site e enviasse email aos 700 participantes informando o “erro” e quais seriam as providências tomadas? Precisou de um escotista denunciar publicamente a situação?

    E nem falamos ainda da denúncia feita por outro escotista sobre superfaturamento do enxoval.

    Winter Is Coming…

  3. Exatamente! Estes pontos sobre o enxoval começaram a ser levantados desde que o mesmo foi lançado.

    E a questão da taxa só “ressuscitou” quando mostramos que não ficamos parados de braços cruzados. Coincidência ou não, exatamente hoje eles se mobilizaram pra devolver o dinheiro!
    Lamentável!
    Agora quero ver a prestação de contas do enxoval, e de onde foi empregado cada centavo do “superavit”!

    Nessas horas dá vergonha de ser representada por estas pessoas!

  4. Dificilmente essa diferença absurda de valores só foi detectada em Maio desse ano. Pelo próprio boletim da UEB divulgado acima, as primeiras inscrições foram pagas ao Japão em Março de 2014 (ou logo depois), mas seguramente bem antes de Maio de 2015. E eu acho um absurdo imaginar que o Japão cobraria da UEB a taxa de inscrição na categoria errada.

    Eu até acredito que a UEB possa ter honestamente se confundido na hora de classificar o Brasil e divulgar a taxa errada. Parece que o Brasil mudou de categoria algumas vezes quando o Dólar ficou mais barato frente ao Real, e o PIB per capita em Dólar melhorou. Mas isso não justifica não ter reconhecido o erro e tomar medidas para devolver os valores pagos a maior imediatamente.

    Eu não tenho dúvidas que, se o erro tivesse sido inverso, e a UEB tivesse cobrado uma taxa menor, certa e rapidamente a conta viria para os participantes. Até mesmo porque já estava prevista uma “parcela de ajuste”, para acertar qualquer variação cambial.

    E realmente é uma coincidência incrível essa questão estar sendo resolvida exatamente no mesmo dia em que a notícia é publicada no Facebook.

  5. Do ofício da UEB publicado hoje à tarde anunciando a devolução dos valores pagos a maior:

    “Com esta ação, pretendemos deixar evidenciada a constante preocupação da nossa instituição no zelo e na observação rigorosa quanto a correta administração de todos os recursos financeiros aplicados dos associados.”

    #morridesungabranca

  6. Tem uma coisa que eu não entendi. Pelo que vi, a UEB já havia identificado essa diferença nos valores há tempos, pagou os valores mais altos ao Japão e estava esperando ser ressarcida pelo Japão para então ressarcir os participantes, o que, coincidentemente, aconteceu justo quando essa estória veio à tona.

    Mas se o Japão ressarciu os valores da UEB recentemente, e com a desvalorização cambial, os valores em Reais que a UEB deveria devolver aos participantes é MAIOR do que os depósitos originais. Pelas próprias contas da UEB, a desvalorização do Real frente ao Yen passou dos 20%, então a valorização do Yen frente ao Real seria também da mesma monta…

  7. Realmente este tipo de atitudes nos deixam cada dia mais apreensivos quanto a condução do nosso escotismo. Assembleias superfaturadas, cobranças indevidas em eventos, falta de transparência na prestação de contas em eventos, enxoval superfaturado, ingerência em assembleias estaduais, entre outras. Parece que estamos numa crise institucional sem precedentes.

  8. Pingback: Sobre debochar dos associados. | Café Mateiro

  9. Pingback: Pioneiro é visto vendendo pâncreas para pagar o MutPio. – Café Mateiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s